The Great Wall of China

This construction work has always intrigued me very much, and when visiting it personally, I could have an idea of its grandiosity. We are talking of the only human monument that can be seen from the Moon (that’s not true, is a legend of 1938, but our romantic side prefers to believe it is!), one of the most impressive military construction works that mankind has ever built, with almost 8.850 kilometers, according to the chinese (this number is very diverging- there is data showing more than 20.000 kilometers, but the most common number found is 6.684 kilometers). It has an incomparable symbolic significance in the history of China, preserving all the spiritual and architectural elements along all this years.
aurevoirblog.com
This series of several walls took approximately two millenniuns (and lots of dynasties) to be built, having as main objective to protect China from being invaded by the mongol and manchurian nomads at the time, but wasn’t successful on that (how it was not totally built, the invaders could easily bypass it)- some parts were even constructed because of those feudal conflicts, and little by little it was magnificently constructed. It served mainly to make the displacement of troops, food and animals easier, and its towers also developed a very efficient communication and alert system, using colored flags and smoke. Nowadays, it meanders along the Northeast of China, the Gobi desert and Mongolia, being today one of the main touristic points of China, and of course, its biggest pride.
The work force to build a colossus of this magnitude also presents numbers equally grands: more than a million workers, among those peasants, soldiers and mainly prisoners; but only 20% survived this construction work, due to the extremely severe conditions by that time. It was a kind of death sentence to be sent to work there, and many corrupt officials had this end.
In 1664, it got abandoned, and even invaded by mongols, xianbeis and other people. In 1980, it was retaken, and then started a big restoration work in many parts of it, but 2/3 of it is said to still be in ruins. Today it’s the biggest symbol of China’s grandiosity.
The Great Wall is not a single structure, and shows different features along its extension. At each while, you can find many passes along, surveillance towers and fortresses, offering to the chinese a dominant view position, immediately perceiving the approach of the enemy (nowadays it’s not so helpful, because China’s worst enemies are no longer humans…).
In 2007, it was considered one of The Seven New Wonders of the World, and since 1986 it’s registered as World Heritage by Unesco.
aurevoirblog.com
aurevoirblog.com

HOW TO GET THERE

There are two sections that offer good infra-structure for visitors (the following posts will be about each one specifically, how to get there, timetable, features…): Badaling– the nearest to Beijing, 1h30min, the most crowded, because it offers public transport, and Mutianyu, not so far from the other one, doesn’t offer public transport until there, so it has a little bit less people (I said just a little bit, don’t get too excited!). There are other access sections, but these two are the main ones, and the most indicated for those persons like me, who have kids and cannot adventure yourselves on wild places anymore.

The Great Wall map

The Great Wall map


These two sections offer cable cars to make the climb easier. In Mutianyu, you go with your feet dangling on the air (and in my case, trying not to drop my daughter!), but if you prefer to feel the amazing sensation that must be to climb all those very steep steps all the way up there, good luck (and tell me later!). To come back, you can choose between the cable car again, or to slide in a very fun and safe toboggan (again, the mommy spirit), with a stop-and-go car. The most indicated periods to visit are the months of april/may and september/october, with mild temperatures, not too hot or too cold.
Cable car and stretch of the toboggan way

Cable car and stretch of the toboggan way


Nobody's gonna dye of thirst up there. But of boredom, I wouldn't say...

Nobody’s gonna dye of thirst up there. But of boredom, I wouldn’t say…


But, above all, the best tip I can give you is: DON’T GO IN THE AFTERNOON, BECAUSE ALL THE EXCURSION BUSES GET THERE BY THIS TIME!!!! A splendid time to get there is about 9 a.m., or earlier, the most part of the visitors start coming after 11…Your pictures will be awesome, without all those snoopy persons, that simply don’t notice there are other ones trying to capture good images! These hotel tours go to Ming Tombs, jade selling stores, silk museums, have lunch, and after all that, they take you to the already crowded Walls, but this are all “take-tourists” tours, and are not so cheap, so don’t fall on this ones!!!!!!PS- you’re welcome 😉
aurevoirblog.com
aurevoirblog.com
This is one of that tours of a lifetime, and should really be on your “Bucket list”, because walking on the Great Wall of China is to have the vivid sensation of being part of the impressive history of this part of the world, deeply experiencing it in all its commas and counterpoints. And as said Mao Zedong: “Who has never walked on the Great Wall, is not a real man.”
Au revoir!

aurevoirblog.com

Advertisements

A Grande Muralha da China

Esta construção sempre me intrigou bastante, e ao visita-la pessoalmente, pude ter a noção exata de sua grandiosidade. Estamos falando do único monumento humano que pode ser visto da Lua (não é verdade, trata-se de uma lenda de 1938, mas o nosso lado romântico prefere acreditar que sim!), uma da mais impressionantes estruturas militares que já foram feitas pelo homem, com quase 8.850 quilômetros de extensão, segundo os chineses (este número é bastante divergente- há dados que citam mais de 20.000 quilômetros, sendo que o mais comum é de 6.684 quilômetros). Possui uma incomparável significância simbólica na história cultural da China, preservando elementos espirituais e arquitetônicos ao longo de todo este tempo.
aurevoirblog.com
Esta série de diversas muralhas levou aproximadamente dois milênios (e várias dinastias) para ser construída, tendo como principal objetivo proteger a China das invasões mongóis e nômades manchurianos na época, mas não obteve muito sucesso neste quesito (como ela não estava totalmente pronta na época, os invasores facilmente a contornavam)- algumas partes inclusive surgiram devido a conflitos feudais, e pouco a pouco, ela foi sendo magnificamente construída. Serviu principalmente, para facilitar o deslocamento de tropas, rações e animais, além de suas torres terem desenvolvido um excelente sistema de comunicação e alertas, que usavam bandeiras coloridas e sinais de fumaça. Atualmente, espalha-se pelo Nordeste da China, pelo deserto de Góbi e pela Mongólia, sendo um dos principais pontos turísticos da China, e claro, seu maior orgulho.
A mão-de-obra utilizada para construir um colosso desta magnitude exibe números igualmente grandiosos: mais de um milhão de operários, entre camponeses, soldados e principalmente prisioneiros; sendo que somente 20% destes sobreviveram durante a sua construção, dadas as condições extremamente adversas na época. Era mais ou menos uma sentença de morte ser enviado para trabalhar lá, e muitos oficiais corruptos tiveram este destino.
Em 1664, ela chegou a ser abandonada, sendo invadida por mongóis, xiambeis e outros povos. Mas foi então retomada em 1980, sendo iniciada uma grande obra de restauração em diversos trechos, tornando-se o maior símbolo da China atual- mas estima-se que dois terços dela ainda estejam em ruínas.
A Grande Muralha não é uma estrutura única, e apresenta diferentes características ao longo de sua extensão. A cada pouco, encontram-se portas, torres de vigilância (cerca de 40 mil) e fortes, oferecendo aos chineses posição dominante de visão, percebendo prontamente a aproximação de qualquer inimigo (nos dias de hoje isso não serve para muita coisa, porque os inimigos da China atual não são exatamente humanos…).
Em 2007 foi considerada uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo, e desde 1986 está inscrita como Patrimônio Mundial pela Unesco.
aurevoirblog.com
aurevoirblog.com

COMO CHEGAR LA
Há dois trechos que oferecem maior infra-estrutura para visitação (os próximos posts falarão desses dois trechos mais especificamente, como chegar, horários, características…): Badaling -o mais próximo de Pequim, a 1h30min, e consequentemente o mais lotado, por ser o único que oferece transporte público, e Mutianyu -pouca coisa mais longe que o anterior, mas não oferece transporte público, então tem um pouco menos de gente (eu disse um pouco, não se empolgue!). Há outros pontos de acesso, mas estes dois são os principais, e mais indicados para quem, como eu, tem filho, e não pode mais se dar ao luxo de coisas muito, digamos, selvagens.

Mapa dos trechos para visitação

Mapa dos trechos para visitação


Estes dois trechos oferecem teleféricos para facilitar a subida. Em Mutianyu você vai balançando ao ar livre mesmo (no meu caso, morrendo de medo de deixar a criança cair lá de cima!), mas se você preferir a sensação maravilhosa que deve ser escalar os milhares de íngremes degraus até lá em cima, boa sorte (e me conte depois!). Para descer, pode escolher entre voltar pelo mesmo teleférico ou escorregar num tobogã muito legal e seguro (novamente o espírito de mãe se faz presente), com um carrinho deslizante do tipo para-e-anda. Os meses mais indicados para visitação são abril/maio ou setembro/outubro, por serem meses de temperaturas um pouco mais amenas, nem muito quente e nem muito frio.
Teleférico e trecho do carrinho do tobogã

Teleférico e trecho do carrinho do tobogã


De sede ninguém morre lá em cima! Já de tédio....

De sede ninguém morre lá em cima! Já de tédio….


Mas acima de tudo, a melhor dica que posso te dar é: NÃO VÁ À TARDE, POIS À TARDE TODOS OS ÔNIBUS DE EXCURSÃO CHEGAM!!!!!!!! Um ótimo horário para chegar lá é tipo 9 horas da manhã, ou antes, pois mais ou menos 11 hs começam a chegar a maior parte dos visitantes.. Suas fotos ficarão ótimas, sem gente intrometida e sem noção que não percebe quando há outras em volta tirando fotos! Esses tours que saem de hotéis, passam pela Tumba Ming, lojas que vendem peças de jade, museus de seda, entre outros, mas são, em sua maioria, passeios “pega-turista”, então não caia nessa!!!!!!! PS- de nada… 😉
aurevoirblog.com
aurevoirblog.com
Este é um daqueles passeios da vida, e deve estar na sua lista de lugares a conhecer, pois andar na Grande Muralha da China é ter a sensação vívida de fazer parte da impressionante História desta parte do mundo, realmente vivencia-la em todas as suas vírgulas e contrapontos. Como dizia Mao Zedong: “Quem nunca andou na Grande Muralha, não é um homem de verdade.”
Au revoir!

aurevoirblog.com

Curiosities (part 3)

Now that we are almost intimates when it comes to curiosities, let’s go straight to the point:
– when giving you the change or receipt, the waiter (waitress) will do it with both hands, showing respect for you, dear customer;
aurevoirblog.com
very friend girls walk holding hands of each other, and very friend boys exchange confidences closely by their ears;
– nowadays marriages here in China have a very, let’s say, cute trend: everything that involves the marriage has a Teddy Bear on it. I explain: on the flower arrangements, there will be a wedding teddy, as well as his very “ground squirrel” friends, that will surely be all over the party. It won’t be hard to even find them on the hairdos or on the modern bouffant dresses (in general, red) of some chinese bride (or maybe in one of the lively guests);

ibuyla.com

ibuyla.com


– as I mentioned already in a post, the chinese are not so in the well education mood, so don’t admire if, in a restaurant, some of them have the idea of savor out loud his very delicious soup flavor strange things. And be awarded as well that, if you leave some food in the plate, the host will think that he wasn’t able to satisfy you properly, so he’ll order more and more food, until you leave some inside the plate!
– if you too agree that a line is an ode to the movement of educational and spiritual evolution of mankind, I give you an advice: do not come to China! Here this concept is inexistent, or either the civility and respect to the rights of your next that they represent. Not even at the airports, to access the boarding gates, they are not necessary- you just enter in, and refuge yourself! The movement is like this: they come on and on, approaching nonchalantly , and suddenly, in one single and sharp step, are in front of you. There is always a pile of people, and persons with special needs generally have this ones unmet, because there isn’t a distinction. When in the subway, the good sense says us that is necessary to await for the ones that are inside to come outside, right? Not in here, mate! Even in a simple walk to the bakery, the McGyver guy who was far behind you in some way ended in the very front of the cashier lady, that naturally got him first. And that’s the way humanity goes, the chinese one, of course.
Au revoir, and see you next time!

Curiosidades (parte 3)

Agora que já estamos praticamente íntimos dos posts sobre curiosidades, vamos direto ao assunto:
– ao entregar troco, recibos e afins, o atendente o fará com as duas mãos, em sinal de respeito a você, caro cliente;
aurevoirblog.com
– as mulheres muito amigas andam frequentemente de mãos dadas, e homens muito amigos trocam confidências ao pé do ouvido;
– os casamentos atuais aqui na China têm uma tendência bem, digamos, fofa: tudo relativo ao casamento terá um ursinho de pelúcia envolvido. Explico: no arranjo de flores haverá certamente um Teddy casamenteiro, assim como seus amigos serelepes que estarão por toda festa. Assim como não será difícil encontra-los em algum penteado ou vestido tipo bufante geralmente vermelho super moderno de alguma noiva chinesa (ou das esfuziantes convidadas);

aliexpress.com

aliexpress.com


– como já mencionei em um post anterior, os chineses não são dados aos mimimis da boa educação, então não estranhe se em um restaurante um deles resolver “saborear alto” a sua deliciosa sopa sabor coisas exóticas. Saiba também que se você não deixar um restinho de comida no prato, o anfitrião vai achar que falhou ao satisfaze-lo alimentarmente, e pedirá então mais um prato. Enquanto você continuar comendo, mais comida chegará! Se não quiser sair rolando após um banquete, deixe sempre um restinho de comida no seu prato!
– se você acha que filas são uma ode ao movimento de evolução espiritual e educacional humanos, te dou um conselho: não venha a China! Por aqui este conceito não existe, ou tampouco a civilidade e respeito ao direito do próximo que elas representam. Nem mesmo nos aeroportos, para acessar os portões de embarque, elas são necessárias- você que saia se enfiando e salve-se quem puder! O movimento é o seguinte: eles vêm vindo como quem não quer nada, e em um passo único e certeiro, estão na sua frente. Há sempre um amontoamento, e pessoas com prioridades geralmente não gozam dela, pois não há diferenciação. No metrô, o bom senso diz que devemos aguardar o que está dentro sair, para depois entrarmos, certo? Não aqui, colega! Até mesmo numa simples ida a padaria, o MacGyver que estava lá atrás de alguma maneira parou na frente da caixa, que naturalmente o atendeu antes. E assim caminha a humanidade, chinesa, lógico…